Onde estão os mais novos?

JovensMissa

 

Ao domingo a nossa Igreja enche no horário habitual das Celebrações Eucarísticas. E à semana está bem composta. É certo que a Assembleia é reduzida por exigências de saúde pública, que impedem muitos de participar; mas há uma constante que preocupa: a ausência de crianças, adolescentes e jovens. E já lá vão umas semanas em que reabriram as Igrejas ao culto!
Passei esta semana em retiro, em silêncio apenas quebrado ao jantar. Éramos 20 padres e todos em serviço na nossa diocese. Como à noite não estavam previstas actividades, e era permitido falar, o assunto de conversa centrou-se invariavelmente na COVID 19 e suas consequências para as Paróquias.
Os problemas são comuns: assembleias genericamente de pessoas idosas e ausência notória de Crianças, Adolescentes e Jovens, além das dificuldades económicas trazidas pela pandemia. Não são os únicos, mas estes são os problemas mais transversais e para os quais não se vislumbra chave de solução. Também na nossa Paróquia.
Estamos num tempo novo e nada ficará na mesma. Então, que futuro? Não sei se alguém tem resposta, mas sei que a ausência física e prolongada da Igreja é plano inclinado no processo de afastamento afectivo e efectivo dela.
Ao constatar que muitas das nossas crianças, adolescentes e jovens, todos baptizados, não entram na nossa Igreja, nem em qualquer outra, desde o dia 13 de Março, confesso que fico preocupado. Mesmo que a única razão seja o medo de contágio pelo coronavirus.
Padre Fausto

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *