E depois ?

  Estamos a aproximar-nos do final do ano litúrgico e a Palavra de Deus, em linguagem pouco habitual, alerta-nos para uma realidade que ninguém pode evitar: o futuro. E DEPOIS ? Se há questões de que não temos resposta, esta é uma delas. Por mais que se explique, muito mais fica por explicar… E Jesus também não desvenda o mistério, não porque o desconheça, mas porque o mesmo ultrapassa os limites da nossa humana natureza. A verdade, porém, é que se trata de uma crise universal, de uma ruptura que altera estruturalmente todos os elementos humanos e cósmicos e a que nenhuma força pode resistir. Se as palavras de Jesus para anunciar a Sua vinda nos alertam para a tragédia e nos sabem a drama, não pretendem inculcar o medo e matar a esperança, mas garantir-nos a presença consoladora de Deus que não desiste de nós, mesmo no limite dos nossos limites. O Deus que Jesus nos revela não se compraz com o sofrimento, nem o Seu projecto é de morte. São de paz os Seus pensamentos, de felicidade o Seu projecto e de amor a Sua aliança. No entanto, à crise ninguém escapa. Que fazer? Vivamos cristãmente o presente, hoje e cada dia, no cumprimento dos nossos deveres e confiemos o futuro à Providência Amorosa de Deus. Isto é o que está nas nossas mãos. “Quanto ao dia e à hora”, não é das nossas contas. P. Fausto in Diálogo 1631 (XXXIII Domingo do Tempo Comum – Ano...

Learn More

“Acautelai-vos” !

Há comportamentos que merecem sempre de Jesus um vivo repúdio. E sempre que pode, não deixa de precaver os seus discípulos e ouvintes para não se deixarem contaminar pela hipocrisia mascarada de virtude e de religiosidade, de que eram mestres consumados os escribas e outros ilustres do tempo. Na verdade, o que fazem, dizem e rezam, apenas mostra a sua sede de protagonismo e ganância desmedida, alimentada pelos pobres indefesos e incautos. As palavras não são meigas: “Acautelai-vos” de quantos, como os escribas, gostam de dar nas vistas pelo que vestem, dos cumprimentos reverentes na rua e acham que o seu lugar em tudo, mesmo na Igreja, é sempre na primeira fila, mas são os primeiros a roubar a própria casa à viúva que lhes pede um favor. “Acautelai-vos”, porque são lobos com pele de cordeiro. Bem ao contrário, o que comove Jesus são os gestos simples e discretos de mestres sem palavras, a confiança plena em Deus e a generosidade sincera, revelada sobejamente pela viúva do Evangelho de hoje. A balança de Deus não é como as nossas. Mais que a quantidade pesa o Amor. Que Deus nos proteja não só dos espíritos malignos que vagueiam pelo mundo… mas também, e especialmente, dos lobos com pele de cordeiro ou, como diz o Papa Francisco, dos diabos bem educados. P. Fausto in Diálogo 1630 (XXXII Domingo do Tempo Comum – Ano B)  ...

Learn More

Escuta !

  Os encontros de Jesus com escribas, fariseus e doutores da lei são habitualmente tensos, mas o de hoje, porém, foge à regra, porque há honestidade e abertura de coração. Jesus percebeu, e até elogiou, o escriba pelo seu comentário à resposta sobre o primado dos mandamentos: “Qual é o primeiro de todos os mandamentos?” Sem discorrer, Jesus recorda o texto bem conhecido do Deuteronómio: “Escuta, Israel. O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças”, e acrescenta “O segundo é este: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Não há, conclui Jesus, nenhum mandamento maior que estes. E o escriba concordou. Num tempo em que o homem se torna cada vez mais a medida de todas as coisas, se sente mais capaz e simultaneamente mais vulnerável, a tentação de inventar deuses, que melhor respondam às conveniências e cubram as necessidades pessoais, é muito grande, mesmo para os católicos. A proliferação de movimentos e seitas religiosas, a busca de espaços mais ou menos esotéricos, com recurso à bruxa, ao espiritismo e a outras práticas,… são sinal claro da oportunidade e justeza da Palavra de Deus. Dar a primazia a Deus, Uno e Único, e ao próximo como a nós mesmos, continua a ser o segredo para um projecto de vida verdadeiramente humano. E por isso, alegre, fecundo e feliz. P. Fausto in Diálogo 1629 (XXXI Domingo do Tempo Comum – Ano...

Learn More

“Que queres…?”

  Bartimeu, homem cego e a pedir esmola, duplamente dependente e carenciado, com pouso à beira do caminho para não ser estorvo. Eis o homem que se encontra hoje com Jesus, prestes a sair de Jericó com os discipulos e uma grande multidão, na direcção de Jerusalém. A deficiência física e a indigência permanente, que condenavam à situação de dependência e isolamento social, não impediram, porém, este homem de sonhar e ousar gritar contra tudo e contra todos: “Jesus, Filho de David, tem piedade de mim”. O que era barreira intransponível proporcionou um acontecimento de graça, graças à atenção de Jesus aos gritos angustiados de Bartimeu, que face aos seus limites não se conformou, nem se intimidou com as resistências sociais. A coragem, a determinação e a confiança de Bartimeu foram largamente recompensadas pela atenção e solicitude de Jesus que, reconhecendo-lhe fé viva, curou da cegueira os seus olhos e o seu coração. Os comportamentos de Jesus, como este, indicam-nos claramente que os gritos dos homens e mulheres que sofrem devem ser para todos os cristãos, sempre, escutados também como Palavra de Deus. P. Fausto in Diálogo 1268 (XXX Domingo do Tempo Comum – Ano...

Learn More

Primeiros em quê?

Apesar da permanente e intensa catequese de Jesus, o grupo restrito dos discípulos vive hoje um momento de grande tensão. Nos seus corações há ainda muito a limar e purificar, pois a atenção às precedências e a pretensão aos primeiros lugares ainda não foram erradicadas. Tudo começa com uma estranha exigência dos filhos de Zebedeu, Tiago e João: “Concede-nos que, na tua glória, nos sentemos um à tua esquerda e outro à tua direita”. Não sabiam verdadeiramente o que pediam. Preocupações de ribalta, de holofotes, de aparências, de poder… são tentações de ontem e de hoje, mesmo na Igreja. Tentações a que não resiste quem persegue obstinadamente um lugar airoso, conceituado, vistoso… e não se conduz pela lógica do serviço e da gratuidade, que requer humildade e discrição. Como nenhum dos discípulos quer ficar em segunda linha, todos se indignam com as pretensões de Tiago e João. Com voz serena e paciência infinita, Jesus enuncia para todos a regra de ouro dos verdadeiros discípulos: “quem entre vós quiser tornar-se grande, será vosso servo, e quem quiser entre vós ser o primeiro, será escravo de todos”. As palavras de Jesus são também para nós, porque a grandeza do coração e a beleza de um projecto de vida dependem da qualidade do serviço que se presta, que é tão mais importante quanto maior fôr o amor que se põe naquilo que se faz. Mesmo que ninguém valorize e dê conta. P. Fausto in Diálogo 1627 (XXIX Domingo do Tempo Comum – Ano...

Learn More

“Que hei-de fazer?”

  Habituados a toda a espécie de encontros com Jesus, hoje assistimos a um, pouco habitual, que nos deixou embaraçados. E a Jesus também, a avaliar pela sua reacção à questão posta: “Bom Mestre, que hei-de fazer para alcançar a vida eterna?” Ninguém conhecia o rosto, nem sabia o nome do homem que, ajoelhado diante de Jesus, fazia tal pergunta, sem dúvida importante e determinante para a sua vida e também para cada um de nós. Jesus olhou-o e indicou-lhe os mínimos: respeita a vida, a tua e a de todos os outros, não te deixes cegar pelo que não tens, vigia o coração e não esqueças que os teus pais merecem todo o apoio, e, além do mais, conheces os mandamentos de Deus. A resposta do homem não se fez esperar: “Mestre, tudo isto tenho eu cumprido desde a juventude”. Jesus, reconhecendo estar diante de um homem cumpridor escrupuloso dos mandamentos, remata: “Falta-te apenas uma coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres, e terás um tesouro no Céu. Depois, vem e segue-me”. Ao ouvir tais palavras, o rosto do homem tornou-se sombrio e triste e, de olhos baixos, retirou-se da nossa presença. “Porque era muito rico”, acrescenta S. Marcos. E ninguém mais o viu. Seguidor permanente das oscilações bolsistas e ancorado numa recheada carteira de títulos…, o homem do Evangelho de hoje não foi capaz de dar uma resposta livre, generosa, audaz e confiante a Jesus, que o desafiava a ser Seu discípulo. Preferiu continuar a ser apenas boa pessoa. Perdeu-se e perdeu tudo. P. Fausto in Diálogo 1626 (XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano...

Learn More

Casar para quê?

  “Não separe o homem o que Deus uniu”, é o que se diz no ritual do Matrimónio, apesar de serem por muitos consideradas retrógradas, vazias e até desumanas, as propostas da Igreja para o projecto de vida conjugal, sustentado no compromisso, na fecundidade e na unidade. Com efeito, é cada vez mais difícil falar de matrimónio uno, fecundo e indissolúvel, numa sociedade caracterizada por ser descartável, individualista, consumista, instável e erotizada… Neste contexto, porém, têmo-nos mesmo de calar e “entrar na onda”? De modo nenhum, apesar do incómodo, às vezes sentido em reuniões de preparação para o Matrimónio ou na sua celebração, com Assembleias frequentemente pouco participativas. Cabe-nos apenas, respeitando outras opções, aprender com Jesus, a quem os fariseus ardilosamente põem a questão: “pode um homem repudiar a sua mulher?”. Há matérias que não se devem discutir e esta é uma delas. Consciente disso, Jesus evita a casuística em que os fariseus o querem enredar, valoriza a beleza do plano de Deus que une o homem e a mulher para serem felizes, lembra a sua comum dignidade e consequente complementaridade e exalta a grandeza do Matrimónio, com base num amor, tão belo e tão forte, capaz de levar o homem a “deixar o pai e a mãe, para se unir à sua esposa”, a fim de constituírem uma verdadeira e íntima comunidade de vida e de amor, sem tempo. É isto que Jesus comunicou e que não podemos calar. Escusado será dizer que aos casais cristãos caberá, sempre e em primeiro lugar, o dever de testemunhar a sua felicidade, com as dificuldades e alegrias próprias da vida matrimonial, vivida segundo o projecto de Deus. P. Fausto in Diálogo 1625 (XVII Domingo do Tempo Comum – Ano...

Learn More

“…não anda connosco”!

“Mestre, nós vimos um homem a expulsar os demónios em teu nome e procurámos impedir-lho, porque ele não anda connosco”. Assim se queixava João a Jesus. Aos apóstolos não interessava o bem feito aos doentes, mas a defesa do grupo a que pertenciam. Jesus, porém, aproveita a ocasião para lembrar mais uma vez que a pessoa está acima de qualquer instituição e que o bem é sempre bem, venha de onde vier. A tentação de defender privilégios de grupo, de raça ou religião, também é de hoje e continuamos a assistir ao levantamento de muros e cercas e até a limpezas étnicas… Esquecemo-nos de que somos todos uns dos outros e habitantes e corresponsáveis desta casa comum que é dada a toda a família humana… Esquecemo-nos tantas vezes que o Reino de Deus é maior que a Igreja, e que há muita gente a fazer o bem sem pertencer ao “grupo dos doze”, porque comprometida genuinamente na defesa da vida e da dignidade da pessoa humana, na promoção da paz e da justiça… O que importa é arregaçarmos as mangas, unirmos as mãos e usarmos os meios que temos ao alcance, mesmo os mais simples e discretos, sempre com a força do amor que se deve pôr naquilo que se faz. Para isto, não convém cortar as mãos ou os pés ou arrancar os olhos, mas cuidar o coração. P. Fausto in Diálogo 1624 (Domingo XXVI do Tempo Comum – Ano...

Learn More

Para ser discípulo !

  Jesus continua hoje com a mensagem que desconcertara Pedro no domingo passado e que parece provocar resistências também nos outros discípulos. Ao discutirem entre si sobre quem tem o melhor curriculum e apresenta mais credenciais para ser o maior, parecem pouco interessados no discurso do Mestre e bem mais preocupados com o futuro de cada um. A sua ambição era vencer o “campeonato” do poder e não o de servir. Jesus, porém, não julga, não repreende os discípulos, nem se mostra ofendido, ao saber da conversa alimentada, em surdina, por todos, quando regressavam a casa, em Cafarnaúm. Há muito que sabia quem escolhera e escolhera livremente homens portadores das debilidades de qualquer mortal, que continuavam ainda, apesar de tudo o que viam e ouviam, de coração empedernido e cabeça dura. Longe de Jesus, porém, desanimar ou dispensar qualquer deles. Chegados a casa, diz-lhes: “Quem quiser ser o primeiro será o último de todos e o servo de todos”. E nada mais acrescenta. O gesto de acolhimento e de ternura de Jesus a uma criança, indicará claramente aos discípulos e aos homens de todos os tempos, o caminho da humildade e da confiança, da simplicidade e da generosidade… para se ser discípulo. P. Fausto in Diálogo 1623 (XXV Domingo do Tempo Comum – Ano...

Learn More

Sem ruído !

  Hoje acompanhamos Jesus, que vem dos lados de Tiro em direcção ao mar da Galileia. No caminho há um encontro curioso com um surdo-mudo, apresentado por uns amigos, que suplicam a Jesus apenas que lhe imponha as mãos. E Jesus, afastando-se da confusão dos mirones, acede imediatamente a libertar o surdo-mudo da prisão que o condenava ao silêncio, a vida inteira. Tudo se passa longe da multidão, sem ruído, a sós. Porque o bem não faz barulho e gosta muito da discrição, Jesus recomenda “que não contassem nada a ninguém”. “Mas, quanto mais lho recomendava, tanto mais intensamente eles o apregoavam”, porque não continham o assombro provocado pelos gestos e palavras de Jesus. De assombro se enche mais tarde também o coração de muitos que vêem o comportamento dos cristãos da comunidade de Jerusalém. O gosto pela Palavra, a fidelidade ao ensino apostólico, a alegria com que celebravam a fé e partilhavam os bens e a amizade que reinava entre todos eram contagiantes… Por aqui também passa hoje o segredo da nova evangelização que deve comprometer todos os baptizados. P. Fausto in Diálogo 1621 (Domingo XXIII do Tempo Comum – ano B)  ...

Learn More