Deus e César !

29dtc_A

 

Jesus continua a ter muitos ouvintes, mas já lá vai o tempo em que era notório o entusiasmo pelo seu belo e profundo discurso. O ambiente, agora, já é de tensão. Como não anda, porém, ao sabor de sondagens, nem pretende cativar o voto dos ouvintes, Jesus não se refugia em respostas vagas e de circunstância, mesmo nas questões ardilosamente colocadas pelos fariseus: “É lícito ou não pagar tributo a César?” – A questão é tudo, menos inocente!
“Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, responde Jesus, com equilíbrio e sabedoria de Mestre.
Com esta resposta ninguém contava. Mas não é de política que se trata, mas tão só, pela leitura de uma das faces da moeda imperial, ocasião para lembrar os circunstantes do cumprimento dos deveres cívicos – “dai a César o que é de César”, não deixando de proclamar o primado de Deus sobre as coisas e pessoas, mesmo dos imperadores. Somente a Ele cabe a centralidade do coração e da vida dos homens.
Deus e César não se excluem, porque assim como temos deveres no campo religioso, também os temos no âmbito da sociedade civil, e destes, como daqueles, não nos devemos dispensar. Este Evangelho deve levar os cristãos, mais uma vez, a reflectirem sobre o modo como cumprem os seus deveres de cidadãos, porque, se é verdade que para ser cristão não basta ser um bom cidadão, também não é cristão quem não for bom cidadão. Não se trata de fazer política, mas de traduzir a máxima que Jesus deixou; “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”.

P. Fausto

in Diálogo 1580 (XXIX Domingo do Tempo Comum – Ano A)

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *